Ir para o conteúdo

Blog da Cultura

Our Latest News

Dia da Consciência Negra: entenda como apoiar a luta antirracista!

Ariane Carvalho
16 de novembro de 2021

O Dia da Consciência Negra está chegando. Se você costuma se perguntar: “O que é o racismo estrutural?”, “Como reconhecer se sou racista?”, “O que posso fazer para apoiar a luta antirracista?”, neste post tiraremos algumas das suas dúvidas sobre o tema e, no final, separamos algumas dicas de como você pode se aprofundar ainda mais no estudo dessa causa. Confira!

O que é o racismo estrutural?

O termo estrutural faz referência justamente à construção de uma base da sociedade, portanto, em sua estrutura, a sociedade formou-se, por si, racista. Para entender um pouco melhor, a gente pode recapitular a história por trás dos fatos: 

  • O Brasil viveu em uma sociedade escravocrata por aproximadamente três séculos. O povo negro, vindo do continente africano, representou a maior diáspora já vista na história da humanidade. Todo esse cenário serviu de pano de fundo para a formação de uma sociedade pautada em privilégio branco. Mas afinal, o que é isso?
  • Usamos o termo privilégio branco para categorizar que pessoas de pele branca sempre estiveram à frente da população negra quando o assunto é oportunidade. Durante esses mais de trezentos anos, o branco teve a chance de se graduar em universidades, de conseguir os melhores empregos e de construir a sua carreira profissional, o que ainda acontece nos dias atuais. Ao negro sobraram, prioritariamente, os trabalhos relacionados à mão de obra e à força bruta, o que o deixou à margem das oportunidades por conta da cor de sua pele 

Dessa maneira,”privilégio branco” se refere à diferença de tratamento e oportunidades dadas às pessoas negras no que pauta o racismo estrutural no Brasil.

Como lutar contra o racismo estrutural?

A legislação brasileira já garante a isonomia entre os povos, portanto, hoje, os negros também podem ter acesso às mesmas universidades que os brancos e ocupar os mesmos cargos de trabalho, mas calma, não significa que isso realmente aconteça na prática. Apesar de tudo estar assegurado por lei, ainda existe um privilégio branco sobre todas essas questões de oportunidade. 

Diante disso, é válido recordar que negros e pardos representam menos de 10% dos alunos de escolas privadas do país. A realidade mostra, ainda, que os jovens brancos e pretos no Brasil não são colocados no mesmo degrau, portanto, ainda persiste um privilégio por parte dos que vivem com uma melhor educação, o que reflete diretamente nos cargos de chefia das empresas, nos consultórios médicos e tribunais de justiça pelo país. De acordo com um levantamento feito pelo vagas.com, divulgado pelo G1 em 2020, menos de 5% dos trabalhadores negros têm cargos de gerência ou diretoria. Em grande maioria, as posições ocupadas por negros no mercado de trabalho são definidas como operacionais e técnicas. 

É justamente essa falta de representatividade do negro nas posições mais altas da sociedade que cria uma espécie de “ciclo vicioso” no racismo. Não se vê figuras negras ocupando posições de poder, com isso, há uma manutenção no predomínio dos direitos brancos e a sociedade passa a acreditar que aquele lugar, de fato, não pode ser ocupado pelo negro. Vamos pensar ao contrário agora: o que aconteceria se metade dos cargos de chefia fossem ocupados por pessoas pretas?

Portanto, se você é branco, para apoiar a causa antirracista é fundamental reconhecer o seu privilégio e auxiliar o empoderamento negro por meio de ações antirracistas, seja no seu meio familiar, no trabalho ou entre seus amigos. 

Como aprender mais sobre a causa negra?

Siga influenciadores que se posicionam sobre o tema

A pergunta é simples: quantos influenciadores negros você segue em sua conta do Instagram? Essa pode ser uma oportunidade para diversificar a sua visão de mundo e entender ainda mais o racismo estrutural, não só no Brasil, mas no mundo, e ainda consumir conteúdos de qualidade. É importante dar voz a quem conhece o racismo! Nós temos algumas dicas pra você: 

 

Assista palestras ministradas por pessoas negras

Conhece palestrantes negros? O TED Talks é uma conferência mundial que traz reflexões importantíssimas para os dias de hoje. Separamos algumas palestras marcantes do TED para você perceber os problemas do mundo pela voz e pelos olhos de pessoas negras. Ah, claro, aproveite para praticar o inglês enquanto isso! 

Vale lembrar que você pode e deve dar ouvidos aos palestrantes negros quando os temas vão além do racismo! Escolha uma área do seu interesse: economia, esporte, entretenimento, business… e busque um especialista negro que fale sobre o assunto. Dessa forma, você já vai estar a um passo à frente, ajudando a superar o racismo estrutural. 

Confira a lista que separamos:

 

Leia livros de escritores negros

E quando o papo é sobre escritores negros? Você já leu alguma de suas obras? É sempre importante ter em mente que a “arma” contra o racismo estrutural é a representatividade, e que pessoas de pele preta precisam estar presentes em diversos setores para que tenham a projeção necessária a fim eliminar o privilégio branco, que ainda persiste. 

Milton Santos, Muniz Sodré, Djamila Ribeiro, Jarid Arraes, Grada Kilomba e Miró podem ser os autores da sua cabeceira. Diversos são os temas que cada um desses autores aborda. Da geografia política, passando pelo lugar de fala e chegando às poesias contemporâneas, temos autores negros para todos os gostos e áreas de interesse, basta escolher o seu e se deliciar com essas obras importantíssima!

 

O  Dia da Consciência Negra está chegando – 20 de novembro -, mas a construção dessa consciência se dá diariamente, reconhecendo cada ato pessoal de racismo e fazendo o possível para evitá-lo. 

Comentários (0):

Your Email address will not be published.

Artigos Relacionados